Arquivo da categoria: Cartas

Manifiesto Munduruku

Versión en Español

 

El pueblo Munduruku no habla por hablar. Las palabras predicadas por nuestros chamanes, ancianos y ancianas, caciques, cacicas, guerreros, guerreras y líderes de hecho suceden. Nuestros cantos, hace muchos siglos, cuentan que somos un pueblo guerrero y que no hemos perdido ninguna batalla. Estas son palabras verdaderas, por esto continuamos cantando y haciendo nuestros rituales. Por otro lado, la palabra de los pariwati (blancos) es llena de dapxi (mentira). Es por ello que lo escriben todo, para intentar fortalecer la palabra y esconder las cosas malas que hacen detrás de los papeles que firman.

Para enseñar a los pariwati el significado de “ogukirik oceweju” (compromiso celebrado con el pueblo Munduruku), hicimos la audiencia y recibimos al Ministerio Publico con la ayuda de cada comunidad. Hicimos ver que aquí en la Mundurukania no es el dinero que manda. Tenemos tierra para sembrar, tenemos pescado, caza y el río para navegar. Si no tenemos combustible, remamos y llegaremos siempre donde queremos.

Ya explicamos antes, pero nos parece que los pariwati todavía no lo entendieron. Nuestros chamanes están escuchando los lamentos de los espíritus después de la destrucción de Karobixexe y Dekuka’a. Por esto somos obligados a visitarlos y a calmarlos.

Entonces, nosotros estamos alertando una vez más de que nos vamos hasta el río Teles Pires para cumplir nuestra palabra verdadera y visitaremos las urnas que descubrimos que las están rescatando, de acuerdo con lo que dicen nuestros chamanes y sabios. No es la CHTP que hace el “salvamento”, como ella dice en su oficio. Ella tocó en nuestro lugar sagrado y retiró las urnas de ahí en silencio, a escondidas, mintiendo una vez más. Pero nosotros descubrimos y vamos cobrar de la empresa este deber de llevarnos hasta allá, porque es ella la culpada por la tristeza de nuestros espíritus ancestrales.

El Ministerio Público está llevando nuestro aviso en la carta de audiencia. Pero ustedes ya se dieron cuenta que no somos “pueblos de papel”. Si necesario volveremos a la zona de obras de la Central Hidroeléctrica de São Manoel para cobrar de las empresas y del Gobierno todo lo que ellos han robado de nosotros.

 

Anúncios

Carta das mulheres Munduruku em resposta à Funai e às empresas hidrelétricas do Teles Pires

 

Nós, mulheres, pajés, caciques, cacicas, guerreiros, guerreiras, cantores, cantoras, professores, lideranças Munduruku reunidos na aldeia Missão Cururu de 28 a 30 de setembro, estamos aqui para denunciar que mais uma vez as empresas e a FUNAI mentiram e não cumpriram o acordo que fizeram com o povo Munduruku na ocupação da UHE São Manoel.

Muitas mulheres e muitos antigos da luta, mesmo com muita dificuldade, vieram de suas aldeias para dialogar com as empresas e com a FUNAI e mostrar o sofrimento causado pelas barragens, que estão destruindo e deixando a gente com o rio sujo,matando os peixes .

Antes de construir essas hidrelétricas, eles nunca consultaram a gente. Nós fizemos o Protocolo de Consulta, mas o governo nunca cumpriu. Nem a FUNAI, que fala q é defensora dos direitos indígenas que vai cumprir o que está no Protocolo, mas nunca cumpriu. Eles não reconhecem o povo. Não só os indígenas, mas também os ribeirinhos. No mês de setembro, o Presidente Franklinberg Freitas descumpriu o Protocolo munduruku e indicou Olinaldo de Oliveira, conhecido como Fuzica, para assumir um cargo importante na Coordenação Regional do Tapajós. Nós não aceitamos essas indicações políticas e nem que ele passe por cima da nossa decisão, que era a readmissão do Ivanildo Saw Munduruku. Por isso ocupamos a FUNAI e Olinaldo pediu para ser exonerado.

Para ter diálogo com o povo Munduruku, eles têm que vir aqui nas nossas aldeias, comer com a gente, beber água do rio, ver de onde a gente tira nosso alimento. Se eles fizeram a barragem, eles também vão ter que beber da água do rio, com vazamento de óleo, peixe contaminado, animais morrendo. Vão ter que comer com a gente e sofrer o que a gente tá sofrendo.

Assinaram nossas reivindicações e prometeram que viriam na aldeia pedir desculpas pelas destruições dos lugares sagrados, mas não vieram e só enviaram suas palavras cheias de jurupari (espíritos do mal). Disseram que invadimos a UHE São Manoel com armas, mas não estamos pedindo o que é deles, estamos falando do que é nosso.  Quando ocupamos o canteiro não demorou um dia para eles aparecerem lá. Eles falam que aquilo é deles, mas aqui eles não vieram.

Eles não tiveram coragem de vir olhar na nossa cara dentro da nossa casa. Quando fazemos ocupação eles têm coragem de olhar pra cara da gente, porque estão armados. Nós nunca usamos arma para lutar contra eles, nós usamos nossa cultura, nossa fala. Os pariwat que usam armas para intimidar. Com suas armas assassinaram Adenilson Kirixi. Nós sempre usamos arco e flecha que é da nossa cultura e vamos continuar a usar.

Se a gente não falar nada, vão continuar igual aos cachorros. A gente fala, fala e eles nunca ouvem.

Mesmo sem as empresas, sem apoio de combustível e alimentação, nós fizemos a audiência e mostramos que não dependemos dos pariwat. Temos território, temos nosso peixe e mostramos que a gente está aqui, trabalhando e construindo nosso plano de vida. Mas o governo e as empresas só estão atrapalhando. Essa época é o momento de plantação das nossas roças, em que estamos conversando com as plantas para elas crescerem e o Governo está interferindo nisso tudo. Hoje é dificil as mulheres que estão no movimento ficar nas suas casas, cuidar dos filhos, das roças.

Foi o choro das nossas crianças que fez as mulheres chegarem até o canteiro de São Manoel junto com os homens. Somos mãe, a mãe da nossa terra, nós cuidamos dela. Somos a mãe peixe. Antigamente todas viramos peixe, todas as mulheres foram embora para o rio, por isso sabemos o que está acontecendo com nosso Idixidi sagrado.

Eles não cumpriram o acordo, mas isso não quer dizer que nós fomos derrotados.  Quanto mais o governo e as empresas negam nossos direitos, mais a gente vai reagir. O Governo e as empresas estão se declarando e nós vamos reagir.

Nas palavras de morte das empresas, eles não falam da destruição dos nossos locais sagrados. Dizem que não têm que pedir desculpas. Escondem que acabaram com Karobixexe e Dekuka’a. Os espiritos nao têm onde ficar, estão rodando, procurando seu lugar. Agora estamos sentindo  a cobrança dos espíritos. Tem gente adoecendo. Está tendo muito acidente, crianças afogadas, picada de cobra. Por isso que a gente foi pra ocupação.  Decidimos que temos que fazer a segunda visita às urnas no dia 7 de outubro 2017, isso foi o compromisso que fizemos durante a primeira visita (cf. pauta anexa). A empresa vai ter que pagar todos as despesas da viagem. Precisamos fazer esses rituais lá. Até as empresas virem até nós e pedirem desculpa, os espíritos não vao sossegar. Também continuamos exigindo que as empresas venham até o território Munduruku e façam audiência para pedir desculpas por terem destruído nossos locais sagrados e parem de negar essa violência que fizeram com a gente.

Esperamos uma resposta urgente da empresa e da FUNAI. E nós mulheres junto com os pajés, caciques, cantores, lideranças estamos prontos para voltar para a ocupação.

 

Sawé!

Carta dos Ka’apor em apoio aos Munduruku

Nossos braços e nossas mãos aos parentes, guerreiros e guerreiras do Movimento Ipereg Ayu
Parentes Munduruku. Não pudemos esta ai, mas estamos com vocês aqui. Vocês mostraram esses dias que só com mobilização e organização a gente vence. Que os direitos nossos a gente não vende e nem negocia, a gente conquista em movimento e com luta com nossos parentes. A gente esta acompanhando os esforços, sacrifícios e luta de vocês para chegar até essas barragens que destroem os lugares sagrados em nome do dinheiro, do lucro dos ricos para gerar energia para os ricos. Só vocês conhecem o que os espíritos dos rios e da floresta tem a dizer pra vocês. Assim nós aqui. Só nós sabemos o que os espíritos da floresta, dos rios, da terra tem pra dizer pra nós. Os Pariwat, os Karai nunca vão saber, entender o sentido de nossa luta, de nossa vida. Eles podem atacar e querer derrubar a nossa organização e luta, mas não vão conseguir. Por isso parente, a gente unidos, tem que continuar se reunindo, se organizando e lutando do nosso jeito pelos nossos projetos de vida. Nosso futuro não está na cidade, nem venda de madeira e estacas, nem pastos, nem roças grandes, nem agronegócio, nem garimpo, nem barragem, nem projetos do governo. Nossa floresta, nossos rios, nossa terra são sagrados para nós. O mais importante agora é nossos Planos de Vida que vão guiar nossos passos para o bem viver nos nossos territórios.
Piranta ha johu Katu!
Conselho de Gestão Ka’apor
Guerreiros da Floresta Ka’apor

carta do cgk ao movimento mdkWhatsApp Image 2017-07-21 at 05.34.41

Por que nós munduruku estamos aqui?

mdk

Por que nós munduruku estamos aqui?

Nos dias 08 a 10 de maio de 2017 nós mulheres, pajés, caciques e lideranças estivemos junto com nossas crianças, reunidos na aldeia Santa Cruz realizando nosso II encontro de mulheres Aya Cayu waydip pe. Nesse encontro discutimos muitos problemas. A maioria desses problemas pioraram com a construção da Hidrelétrica do Teles Pires e de São Manuel.
Nossos locais sagrados Parabixexe e Dekuka’a foram violados e destruídos e nosso protocolo de Consulta foi desrespeitado. Depois de ouvirmos as mulheres foi decidido que estaríamos aqui por dois motivos.
O Primeiro é devolver as urnas roubadas pela hidrelétrica para a terra e que nenhum pariwat tenha acesso a ela. Essa devolução das urnas tem de ser acompanhada pelos pajés e com um pedido de desculpas da hidrelétrica por ter desrespeitado nossos locais sagrados.
Segundo que a hidrelétrica respeite nossos direitos e crie um Fundo com recursos para serem aplicados por nós munduruku:

  • em nossas escolas e na nossa educação,
  • nas nossas roças,
  • na proteção e vigilância das nossas terras,
  • no apoio aos nossos outros parentes e sem interferência das hidrelétricas,
  • na proteção dos nossos locais sagrados
  • na preservação do nosso conhecimento e da nossa história

Sawe!

Por que nós munduruku estamos aqui

Em carta à FUNAI, Mundurukus afirmam seu repúdio

No dia 11 de junho de 2017, o povo Munduruku reunido na aldeia Sawre Muybu, no médio Tapajós, escreveram uma  carta à Fundação Nacional do Índio – FUNAI manifestando seu repúdio ao retorno do servidor Raulien Queiroz de Oliveira à Coordenação Regional do Tapajós.

Os indígenas, entre outras denúncias, afirmam que Raulien nos seus dois mandatos como prefeito do município de Jacareacanga, território onde se concentra a maior parte das aldeias da etnia Munduruku, repetiu várias irregularidades a este povo, como a demissão arbitrária de 70 professores indígenas, em 2014. O servidor também foi presidente do Consórcio Tapajós, interessado na construção de hidrelétricas que alagariam Terras Indígenas e trariam impactos socioambientais irreversíveis às comunidades indígenas e ribeirinhas da região.

Leia a Carta na integra!

À PRESIDÊNCIA DA FUNAI
c.c: Ministério Público Federal

Nós, povo Munduruku, em reunião na aldeia Sawre Muybu, no dia 11 de junho de 2017, manifestamos nosso total repúdio ao retorno do servidor Raulien Queiroz de Oliveira à Coordenação Regional do Tapajós.
O servidor sempre maltratou os indígenas e durante os oito anos de mandato (2009-2016) como prefeito de Jacareacanga, sempre discriminou os Munduruku e ainda foi presidente do Consórcio Tapajós, interessado na construção de hidrelétricas que alagariam Terras Indígenas e trariam impactos socioambientais irreversíveis às comunidades indígenas e ribeirinhas da região.
Durante sua gestão, adotou diversas medidas políticas e administrativas anti-indígenas, como a exoneração arbitrária de 70 professores indígenas, em março de 2014, decisão revertida na Justiça, por meio de ação do Ministério Público Federal. Usou ainda violência física e moral contra o Movimento Munduruku Ipereg Ayu, chegando ao absurdo de coordenar um ato em que funcionários e servidores de sua gestão lançaram rojões contra os indígenas para reprimir suas manifestações em defesa de seus direitos.
Houve também interferência direta na organização social do povo Munduruku, quando inseriu na Associação Pusuru indígenas Munduruku ligados à sua gestão, favoráveis aos interesses da Prefeitura e contrários ao movimento de resistência.
É inaceitável que alguém com essa postura continue a trabalhar com o povo o munduruku ou com qualquer povo indígena. Sua atuação, seja como servidor da FUNAI, seja como prefeito, é incompatível com a missão do órgão indigenista de proteger os direitos dos povos indígenas.
Não aceitamos a presença do servidor supracitado na CR Tapajós, exigimos sua imediata exoneração pela presidência da FUNAI e a reestruturação da CR para que não haja prejuízo na realização das atividades fim da entidade. Caso não sejamos atendidos, resolveremos a situação de nossas próprias formas, com o devido acompanhamento do MPF.

DocumentocontraoRaulienQueiroz

parir                                                      mdk

A carta do Repúdio do Povo Munduruku contra PEC-215.

Mundurukania, 30 de outubro de 2015

Nós povo Munduruku,  repudiamos sobre a violência da discriminalidade da PEC 215. viemos a informar e dizer que não  aceitarmos  a modificações da nossa Lei que nos garantem na constituição de 1988,  a preservação e a nossa sobrevivência nativa, não negociamos nosso direito,nossa mãe terra  Ela é pra garantir as futuras gerações do nosso povo. A floresta é de onde a gente sobrevive. Ela cuida, mantém e dá alimento pra nós. Ela sempre dá seu fruto para novos gerações que são nossos pequenos  filhos.

Continuar lendo A carta do Repúdio do Povo Munduruku contra PEC-215.

XI Assembléia do Povo Munduruku do Médio Tapajós

Foto Alessandra Korap

O território Munduruku da árvore mais alta a raiz mais profunda está ameaçada e nós o povo que recebeu do Karosakaybu esta terra, queremos denunciar as ameaças que estamos sofrendo.

Em 2013 várias urnas deixadas por nossos antigos foram roubadas. A cachoeira de Sete Quedas “PARI BIXEXE” (lugar onde os mortos vão depois da morte) local sagrado do nosso povo foi destruído.

Queremos que os pariwat (não indígenas) saibam que nossos locais sagrados são tão importantes quanto suas cidades santas ou seus templos que alcançam os céus.

Nossos locais sagrados não representam o triunfo da riqueza. Nossos lugares sagrados nos apontam o caminho do Bem-Viver.

Por isso, nós exigimos que as urnas roubadas sejam devolvidas e que o governo brasileiro e a empresa que a roubou peçam desculpas à nós, Povo Munduruku, e ao povo brasileiro, da qual fazemos parte.

Esses locais sagrados deixados pelos nossos ancestrais é a verdadeira prova de que existimos, são evidências e vestígios reais de nossa presença. Eles estão espalhados ao longo do leito do rio Tapajós, e cada comunidade Munduruku dessa bacia reconhece pontos sagrados em seus territórios.

Quando falamos ao governo brasileiro da importância do sagrado para nós, de que estes lugares e símbolos não se permite tocar ou remover, as autoridades não entendem e parece que nunca a compreenderão.

Todas as ameaças estão acontecendo para destruir o que nos é sagrado. E todos nós somos sabedores que é a Construção de Usinas Hidrelétricas na bacia do Tapajós é a entrada de vários outros empreendimentos dos setores econômicos do interesse do governo como da Mineração, Hidrovias, construção de portos de navio para transportar grão de soja e construção de Ferrovias no territorio Munduruku.

Para não acontecer o desastre ecológico que não somente causará catástrofe com o povo Munduruku mas também comprometerá a vida dos pariwat que dependem das essências de elementos fundamentais que são indispensáveis para todas as formas de vidas biológicas.

Exigimos ao governo brasileiro que pare com esse projeto de destruição e que os protejam como a Constituição Federal diz. Nós já estamos protegendo desde o princípio, mas da parte do governo brasileiro nós não vemos a proteção.

Pedimos também aos apoiadores que levem a nossa voz para o mundo para pressionar a ONU, OEA e Países de primeiro mundo toda a sociedade organizada do mundo inteiro sobre a destruição do meio ambiente. Porque é justamente a população Indígena, a qual se preocupa em proteger a natureza, que é tão útil para todos no mundo, e por defender o seu territorio, são ameaçados, assassinados, criminalizados. Nós sofremos toda sorte de discriminação por vivermos em harmonia com a natureza.

Estiveram presentes em nossa assembleia os grupos sociais que partilham do nosso modo de vida no Tapajós e em outros rios também ameaçados, os Kaxuyana do rio Trombetas, os ribeirinhos do Arapiúns em Santarém, os beiradeiros de Montanha-Mangabal, os apoiadores do CITA, de Aveiro. Nós estamos juntos na luta pelo futuro de todos.

E para manter essa harmonia com toda classe social é preciso que os nossos territórios sejam demarcados e assim possamos viver da nossa maneira, de acordo com a nossa cultura deixada pelos nossos antepassados. Antes da chegada dos colonizadores o territorio já era nosso. Se esta resistência está acontecendo é por que estamos lutando pelo que é nosso. Não estamos invadindo para depois requerer a terra. Apenas, não queremos perder o que nos resta.

O territorio demarcado é garantir a Educação, Saúde, Segurança nacional, proteção da vida genética, e será orgulho para o mundo por que esta luta tem o verdadeiro sentido em prol da vida humana. Todos querem viver e não perder suas vidas.

Queremos que seja tomado as devidas providencias junto ao Procuradoria da República e outras instancias Federais para agilizar o processo de reconhecimento de nossos direitos constitucionais de acordo com o Art. 231 e 232 da Constituição Federal de 1988 e a Convenção 169 da OIT, onde Brasil é consignatário.